Continua após publicidade

Artesanato de povos originários e comunidades compõem a CASACOR SP

Cerâmicas, cestarias, bordados e marcenarias de povos indígenas e mulheres artesãs marcam o mobiliário da CASACOR São Paulo 2024

Por Maria Fernanda Barros
Atualizado em 21 jun 2024, 11h37 - Publicado em 21 jun 2024, 08h00

Valorizar as técnicas e os saberes ancestrais é uma reivindicação da CASACOR 2024: a frase “De presente, o agora”, que representa o tema desta edição, foi apresentada pelos curadores como uma reflexão sobre o impacto de cada ação e escolha nos projetos da mostra. Uma das formas pela qual a temática se traduziu na CASACOR São Paulo 2024 foi na presença de um mobiliário artesanal confeccionado por povos originários e comunidades brasileiras.

Zanardo Paisagismo - Praça Tekohá. Projeto da CASACOR São Paulo 2024.
Zanardo Paisagismo – Praça Tekohá. Projeto da CASACOR São Paulo 2024. (Bia Nauiack/CASACOR)

Os bancos esculpidos em madeira pelo artista Kulykirda Stive Mehinaku para a Praça Tekohá, projeto de Luciano Zanardo,  representam a história do povo Mehinaku, situado no território indígena do Xingu no Mato Grosso. Na sua estreia em CASACOR, o mobiliário produzido por Kulykirda configura a forma de animais nativos do Xingu e corresponde a mais de 15 peças do ambiente.

Segundo Kulykirda, os bancos são os assentos da comunidade indígena do Xingu, e cada um deles possui um significado diferente: “Tem banco pajé, que é quadrado, tem banco cacique, que é gavião, urubu rei e duas cabeças”. Para a confecção dos bancos, foi utilizado o grafismo corporal dos povos Mehinaku.

Continua após a publicidade
Zanardo Paisagismo - Praça Tekohá. Projeto da CASACOR São Paulo 2024.
Zanardo Paisagismo – Praça Tekohá. Projeto da CASACOR São Paulo 2024. (Bia Nauiack/CASACOR)

O artista seguiu o caminho da família, que produz arte há muitas gerações, mas foi apenas com Kulykirda que a tradição artística da comunidade recebeu ampla visibilidade. “Na época do meu pai e meus avós, as nossas peças não tinham visibilidade nem valorização. Eu fico muito feliz por estar conseguindo reconhecimento dos meus trabalhos e da cultura milenar do meu povo Mehinaku e, futuramente, os nossos filhos vão seguir mantendo essa cultura”, afirma. 

A arte indígena também é protagonista da Casa Urucum, projeto da SALA2 Arquitetura. Ao resgatar o artesanato de uma cultura pré-colombiana, as cerâmicas dos povos Marajoaras adicionam uma dimensão cultural e histórica no espaço, descreve Vanessa Martins, arquiteta do ambiente.

Continua após a publicidade
Cerâmicas dos povos Marajoaras na Casa Urucum - Projeto da CASACOR São Paulo 2024
Cerâmicas dos povos Marajoaras na Casa Urucum – Projeto da CASACOR São Paulo 2024. (Maria Fernanda Barros/CASACOR)
Gabriel Fernandes - Casa Veredas Simonetto. Projeto da CASACOR São Paulo 2024.
Gabriel Fernandes – Casa Veredas Simonetto. Projeto da CASACOR São Paulo 2024. (MCA Estúdio/CASACOR)

Na Casa Veredas Simonetto, projeto de Gabriel Fernandes, a ancestralidade está representada nos 2.500 nichos preenchidos com tijolos produzidos artesanalmente pela comunidade Maria do Barro. Segundo o arquiteto, o artesanato homenageia a casa caipira brasileira e a origem das peças potencializa ainda mais o significado do espaço.

Continua após a publicidade

As artesãs do Instituto Maria do Barro são as criadoras da complexa estrutura do ambiente de Gabriel. A comunidade é composta por mulheres que viviam em situação de vulnerabilidade e, atualmente, garantem toda a sua renda delas por meio do trabalho com o barro.

Gabriel Fernandes - Casa Veredas Simonetto. Projeto da CASACOR São Paulo 2024.
Gabriel Fernandes – Casa Veredas Simonetto. Projeto da CASACOR São Paulo 2024. (MCA Estúdio/CASACOR)

As seis grandes colunas — confeccionadas em seis dias — presentes no Estúdio Âmago, arquitetado por Ana Weege,  também possui autoria de uma comunidade artesã feminina. Em parceria com as Mulheres de Fibra, um grupo de artesãs do interior de São Paulo, Ana e a designer Luly Vianna desenvolveram biombos a partir de fibras de taboa. 

Continua após a publicidade
Ana Weege - Estúdio Âmago. Projeto da CASACOR São Paulo 2024.
Ana Weege – Estúdio Âmago. Projeto da CASACOR São Paulo 2024. (MCA Estúdio/CASACOR)

O artesanato local na CASACOR São Paulo 2024 se expande até o ambiente EnCantos, da arquiteta Letícia Nannetti. A partir dos bordados confeccionados por uma comunidade de mulheres artesãs da Vila São José dos Lopes, na Serra de Ibitipoca, o ambiente reverbera as culturas e tradições do interior de Minas Gerais.

Letícia Nannetti - EnCantos. Projeto da CASACOR São Paulo 2024.
Letícia Nannetti – EnCantos. Projeto da CASACOR São Paulo 2024. (MCA Estúdio/CASACOR)

SERVIÇO – CASACOR São Paulo 2024

Onde: Conjunto Nacional, na Avenida Paulista, 2073 – São Paulo (SP)
Quando: de 21 de maio a 28 de julho de 2024

Horário bilheteria:
Terça a sábado, das 12h às 22h
Domingos e feriados, das 11h às 21h

Bilheteria digital:
https://appcasacor.com.br/en/events/sao-paulo-2024

Continua após a publicidade

Valores dos ingressos:
R$ 111 – Inteira
R$ 56 – Meia-entrada

Compra de ingresso de meia-entrada: idoso a partir de 60 anos, estudante apresentando o documento válido com foto ou recibo de pagamento. Deficiente e seu acompanhante (conforme lei 12.933/13). A comprovação de meia-entrada será exigida na porta.

 

 

Publicidade
Pular para o conteúdo